xtrote.jpg.pagespeed.ic.Y2Eq5E6YAG

Alunos de direito promovem trote ecológico e limpam Campo de Santana

Estudantes da Faculdade Nacional de Direito (UFRJ) fazem limpeza do Campo de Santana durante o trote dos calouros Foto: Agência O Globo / Custódio Coimbra
Bem vindo ao Player Audima. Clique TAB para navegar entre os botões, ou aperte CONTROL PONTO para dar PLAY. CONTROL PONTO E VÍRGULA ou BARRA para avançar. CONTROL VÍRGULA para retroceder. ALT PONTO E VÍRGULA ou BARRA para acelerar a velocidade de leitura. ALT VÍRGULA para desacelerar a velocidade de leituRIO — Na contramão dos trotes humilhantes feitos pelos colegas do curso de medicina, os alunos da Faculdade Nacional de Direito da Universidade Federal do Rio de Janeiro realizaram um trote ecológico nesta quinta-feira. A tarefa dos calouros foi fazer uma grande limpeza no Campo de Santana, vizinho à faculdade, e onde há mais de 30 anos os veteranos realizam seus trotes. O objetivo da ação,  segundo os estudantes, foi estimular a criação de uma sociedade melhor, sem esquecer de respeitar as diferenças.

— A ideia inicial era promover um café da manhã para os moradores de rua no Campo de Santana. Mas, para evitar problemas com essas pessoas, que já sofrem tanto preconceito, resolvemos fazer um trabalho de limpeza no local. Os calouros recolheram entre 10 e 20 sacolas de 300 litros cada. Achamos até um computador e um vaso sanitário — disse.

Para a Fundação Parques e Jardins essa é uma iniciativa que deve ser replicada também por outras faculdades, em outros parques, mudando a cultura de trotes degradantes.

— Esperamos que alunos de outros estabelecimentos façam trotes mais conscientes, acabando com os trotes mais agressivos. Muito melhor é fazer um trabalho solidário, voltado para a ecologia. Esperamos mais “eco-trotes“ — contou Carlos Damasceno, assessor de imprensa da fundação.

Alunos de medicina da UFRJ fazem trote vexatório

Na terça-feira, os veteranos de medicina da UFRJ, um dos cursos mais prestigiados do país, rasparam a cabeça e jogaram tinta em alunos recém-chegados. Quem não quisesse participar era obrigado a pagar um multa de R$ 30 a R$ 40.

Ano passado, a Faculdade de Medicina abriu uma sindicância para investigar o trote, no qual calouros disseram ter sido obrigados a beber urina de veteranos, como mostrou reportagem do GLOBO. Meninas foram obrigadas a simular sexo oral. O chamado trote vexatório é proibido por uma lei estadual de 1996. Na última terça-feira, a equipe do jornal foi repreendida por estudantes, que não queriam fotos no local.

Isaac Navarro criticou a ação dos colegas da medicina. Para ele, trotes devem servir para aproximar os estudantes, criando laços de amizade, e não para humilhar.

— Eu acredito que infelizmente ainda exista esse tipo de trote entre nossos próprios companheiros da UFRJ, mas isso pode ser mudado. Com um pouco de diálogo a gente pode resolver esse problemas. O trote deve ser um acolhida aos calouros. Afinal, é muito difícil entrar em uma universidade pública no Rio de Janeiro.

Semana passada, o reitor da UFRJ, Carlos Levi, emitiu um memorando orientando as decanias a reforçar a proibição do trote vexatório. Levi afirmou que “tem-se assistido a algumas ações que em vez de integrar o aluno recém-aprovado o submete a situações constrangedoras”. A universidade pediu ainda para que calouros vítimas de trotes vexatórios relatem os casos no site da instituição.

Fonte: O Globo Rio

coreia-do-sul-construira-uma-cidade-agricola-no-egito-investimento-sera-de-u-10-bilhoes

Egito vai ganhar cidade de US$ 10 bilhões 100% projetada para a agricultura sustentável

Com quase 312 acres de imensidão, a cidade agrícola do Egito é fruto de um acordo bilionário com a Coreia do Sul e deve ficar pronta em apenas seis meses. O projeto, com investimento de US$ 10 bilhões, prevê a construção de 50 mil estufas inteligentes, estações de dessalinização de água marítima e pequenas usinas solares de energia elétrica para garantir a agricultura na região.

O primeiro-ministro do Egito anunciou que a cidade ficará sediada no noroeste do país e que o projeto receberá tecnologias de ponta para garantir um cultivo mais ecológico e eficiente possível.

curso-online-e-gratuito-sobre-mudancas-climaticas-e-oferecido-pela-onu (1)

ONU oferece curso online e GRATUITO sobre Mudanças Climáticas (e ainda emite certificado para alunos)

Depois do sucesso do curso do SUS sobre medicina natural, a ONU também oferece um curso no mesmo estilo sobre Mudanças Climáticas. As aulas são introdutórias e qualquer um interessado pode fazer! Basta entrar neste link e fazer inscrição.

Disponível em cinco diferentes idiomas, o curso online e gratuito já foi concluído por mais de 10 mil pessoas ao redor do mundo. A versão em português foi idealizada em conjunto com a Unesco e é composta por seis módulos:
– Introdução à ciência da mudança climática;
– Introdução ao marco internacional legal e de políticas para enfrentamento da mudança climática;
– Introdução à adaptação à mudança climática;
– Introdução à mitigação da mudança climática;
– Introdução ao financiamento climático;
– Introdução ao planejamento para a mudança climática.

E o mais legal: a ONU emite certificado de conclusão de curso para os alunos. Basta realizar teste para cada um dos módulos estudados e ter mais de 70% de aproveitamento em cada um deles.

Segundo a entidade, a intenção é, num futuro próximo, disponibilizar outros cursos na mesma plataforma online. Já tem até organizações usando a ferramenta como treinamento de funcionários e agentes interessados. Curtiu? Acesse o programa completo do curso e inscreva-se!

Foto: NASA on The Commons/Creative Commons

conheca-os-pratos-e-talheres-descartaveis-que-podem-ser-plantados-apos-uso

Nada de jogar no lixo! Descartáveis feitos de coroas de abacaxi podem ser plantados após o uso para florir jardim

Na mesma linha dos pratos biodegradáveis em formato de folhas que se decompõem em 28 dias, esses novos pratos e talheres propõe um destino muito mais nobre do que a lixeira aos utensílios descartáveis. Feitos a partir de cascas de milho e coroas de abacaxi, os produtos podem ser plantados após seu uso e viram grama, flores e ervas.

Criada pela startup  Lifepack e batizada de Papelyco, a linha de pratos e talheres ainda pode ser reciclada, caso o usuário não queira plantá-la. Mas… se a escolha for plantar, o fabricante garante: em poucos dias já é possível ver resultados bacanas no jardim.

Assim como as xícaras que são feitas a partir de pó de café, a proposta do produto é utilizar materiais que seriam jogados fora como matérias-primas para suas mercadorias. A sacada foi do casal de colombianos, Claudia Barona e Andrés Benavides, que arrecadaram US$ 50 mil via financiamento coletivo para criar a empresa e dar vida à tecnologia que idealizavam.

O engenheiro industrial e a advogada ficavam incomodados por não encontrar alternativas aos plásticos e papéis descartáveis que ficam nas estantes dos supermercados. “Nós nos consideramos ecológicos e nos preocupamos com a contaminação causada por produtos descartáveis, especialmente o plástico”, explicam.

A startup fica localizada na Colômbia. Por lá, os talheres e pratos que viram plantas já são comercializados nos supermercados locais. A ideia agora é expandir a iniciativa para os EUA. Para tanto, Claudia e Andrés fizeram as malas e se mudaram para St. Louis, em Missouri.

E o mais bacana: a empresa também se preocupa com a responsabilidade social: 25 mães sustentam seus filhos graças ao emprego que mantém na startup na Colômbia.

Nós já estamos animados para passar a usar os descartáveis Papelyco (mas só quando for necessário!). E vocês?

Fonte: thegreenestpost.com

carona_amiga

Conheça a rede social das caronas, que promete revolucionar a mobilidade urbana nas cidades

Espécie de rede social da carona, o aplicativo VAMU promete facilitar a busca e oferta de caronas a fim de otimizar os deslocamentos nas cidades e garantir maior economia aos motoristas (sem contar a redução significativa de emissões). Tudo por meio do compartilhamento espontâneo de carros particulares!

O app funciona de maneira automatizada e gratuita. Para aqueles que se preocupam com segurança, o VAMU garante: só dá e recebe caronas de participantes que pertencem a grupos semelhantes e que estejam indo ou voltando pelo mesmo trajeto. Além disso, as rotas são compartilhadas apenas com as pessoas dos próprios grupos, que podem ser particulares  – formados por parentes, amigos, vizinhos e/ou colegas de trabalho ou estudo – ou corporativos – formados por empresas, instituições de ensino, condomínios residenciais e/ou comerciais.

“As empresas podem incentivar seus funcionários a criarem grupos de carona cedendo vagas de estacionamento gratuito para esses grupos, por exemplo. O VAMU ainda fornece relatórios periódicos que informam os dados referente à economia  de combustível e de gases emitidos”, explica Armando Machado, um dos idealizadores do projeto.

Em tempos de crise econômica (e constante aumento de preço da gasolina), é relativamente mais fácil convencer as pessoas a retirarem seus carros das ruas, ajudando assim no orçamento doméstico, no trânsito urbano e também na saúde do ambiente. Quem sabe agora vai?

Abaixo, o passo a passo do aplicativo sobre como participar!

1 – Baixe o app gratuitamente na Apple Store ou no Google Play
2 – Crie uma conta, informado seus dados pessoais e os do seu carro
3 – Monte seus grupos e convide seus familiares, vizinhos, amigos e colegas de trabalho e estudo para participar
4 – Solicite adesão a grupos que façam trajetos similares aos seus
5 – E aí, VAMU? 😉

Fonte: thegreenestpost.com

6154036

Lixo nuclear de extinta mina de urânio ocupa área de cem Maracanãs

Exploração da INB terminou em 1995, mas terreno não foi descontaminado.
Comissão de energia encontrou problemas na manutenção dos resíduos.

Em Minas Gerais, toneladas de lixo radioativo preocupam ambientalistas, o Ministério Público e moradores de uma região no sul do estado. Há mais de duas décadas os rejeitos são mantidos no local.

A área é do tamanho de cem estádios do Maracanã. É o que restou da primeira mina de urânio que foi explorada no Brasil. Bacias de contenção de rejeitos, lama com resíduos radioativos na cava da mina, uma fábrica de beneficiamento de minério desativada, e mais: milhares de toneladas de misturas contaminantes que contêm urânio, tório, rádio. Hoje tudo que é feito lá é para monitorar e evitar mais problemas ambientais. Só para empresas terceirizadas foram pagos mais de R$ 700 mil nos primeiros sete meses de 2017. Dinheiro público.

Foram 13 anos de extração de urânio. Em 1995, a empresa responsável, que é pública, a INB – Indústrias Nucleares do Brasil – concluiu que a atividade não era mais viável economicamente. De lá para cá, se passaram 22 anos, toda a área com os rejeitos radioativos deveria ter sido recuperada, descontaminada. Não foi. São mais de 12.500 toneladas de resíduo. As regras para o armazenamento desse material perigoso são rígidas.

Ibama já tinha constatado parte da cobertura dos galpões feita apenas com lona, depois de uma ventania em 2015. Em nota, a INB informou que o problema foi corrigido definitivamente no começo deste ano. E essas imagens feitas agora mostram um pedaço descoberto no local onde o resíduo foi enterrado.

A fiscalização dessas áreas com radiação é responsabilidade da Comissão Nacional de Energia Nuclear, a CNEN, que encontrou mais irregularidades. A comissão determinou, em 2016, uma melhor manutenção dos galpões e exigiu correções, porque detectou deterioração e queda de recipientes, corrosão de estruturas metálicas, danos à tubulação. Também estabeleceu a substituição de telhas.

Em 2017, a CNEN verificou que as exigências não foram cumpridas. Não foi a primeira vez, como explica o promotor de Caldas. “Historicamente, desde quando se encerraram as atividades, ela vem ignorando muitas dessas orientações desses órgãos. E isso pode custar um preço caro à sociedade local, ao meio ambiente, a todo o ecossistema”, disse o promotor José Eduardo de Souza Lima.

Nas áreas de descarte do processo de extração, a água que escorre sai ácida. Para tratar, a empresa usa cal. Milhares de toneladas por ano. O Ministério Público estadual e também o federal entraram com ações contra a INB por não ter recuperado, até agora, a área degradada.

A primeira reação da empresa sobre isso foi em 2012. Apresentou um primeiro projeto de recuperação do local. Pelo último balanço de gestão da INB, a empresa não gastou um centavo no projeto de recuperação em 2016. A CNEN defende o fechamento definitivo da unidade. “É uma questão ambiental, mas também econômica. Você tem que investir recursos para poder fazer todos esses controles, então, tem um dispêndio orçamentário por parte da INB e, consequentemente, do governo federal em uma instalação que não está gerando receita”, explica Antônio Luiz Quinelato, coordenador do laboratório CNEN de Poços de Caldas.

Um relatório da própria INB calcula que recuperar a área vai custar cerca de US$ 500 milhões, mais de R$ 1,5 bilhão em 40 anos, e conclui que será necessário criar um modelo de financiamento, porque a INB não tem orçamento para isso.

O Ibama informou que o projeto de recuperação da área está em fase de estudo, mas não há prazo para conclusão A INB – Indústrias Nucleares do Brasil – afirma que faz inspeções periódicas nos galpões e nas bacias de contenção de rejeitos radioativos e descarta o risco de contaminação do solo e da água da região.

Fonte Globo.com

image-211

Noruega é o primeiro país do mundo a proibir o corte de árvores

O Governo Norueguês surpreendeu todo mundo após BANIR em todo o país o corte de árvores, também foi proibido a compra de qualquer produto do exterior que tenha contribuído com o desmatamento.

Além disso o governo está procurando uma maneira de produzir soja, madeira, óleo e carne, sem causar nenhum dano a natureza e que seja feito de uma forma saudável, já que esses produtos são responsáveis por maior parte do desmatamento.

Bem que outros países, como o Brasil, poderiam seguir os exemplos que a Noruega vem fazendo nós últimos anos!

Obrigado Noruega, o Planeta agradece!

Fonte: Isto é Super Intensaste

biodigestor-alemao

Paraná terá a 1ª usina do Brasil a gerar energia por meio de esgoto e lixo

Será construída no Estado uma usina de geração de biogás, que transforma os resíduos em eletricidade para abastecer as casas da região

O estado do Paraná será o primeiro do Brasil a receber a construção de uma estação de geração de energia por meio de esgoto e de lixo orgânico, uma usina de geração de biogás, que transforma os resíduos em eletricidade para abastecer as casas da região.

Usina de biodigestão na Alemanha

A licença para a operação foi dada pelo Instituto Ambiental do Paraná à empresa CS Bioenergia. Segundo a companhia, a usina terá capacidade para produzir 2,8 megawatts de eletricidade por meio de lixo, abastecendo cerca de duas mil residências do Estado.

A matéria-prima para geração de energia virá de estações de tratamento de esgoto e da coleta de lixo produzirá, além do biogás, biofertilizante para a região. A estimativa é que a iniciativa desvie 1000 m³ de lodo de  esgoto e 300 toneladas de lixo orgânico dos aterros.

Usina de biodigestão na Costa Rica

A Europa é pioneira na produção de biogás a partir da biodigestão, possuindo cerca de 14 mil usinas. Somente a Alemanha abriga oito mil unidades. No Brasil, o biogás ainda tem uma participação pequena na matriz energética e é contabilizado em conjunto com outros biocombustíveis como o bagaço de cana, constituindo a biomassa, responsável por 8,8% da energia gerada no país.

Fonte: Casa Cor

69174276-b4a9-4a10-bc90-f70bbfc13e7b

Escolas do Reino Unido pretendem proibir uso de plásticos até 2022

Da queda de vendas de sacolas plásticas em 86% à Rainha Elizabeth abandonando o uso de canudos plásticos, a batalha contra a poluição marinha por plásticos tem progredido em muitas frentes no Reino Unido.

Agora, a Business Green relata que o governo abriu uma nova frente de batalha, encorajando as escolas a abolir o uso de plásticos descartáveis até 2022. Segundo o relatório, algumas escolas já estão no caminho certo – tomando decisões estratégicas com seus fornecedores, como troca de embalagens Tetra Pak de uso único (feitas com palha de plástico) para recipientes recicláveis ​​e copos reutilizáveis.

Com esperança, pelo menos para as séries mais jovens, esses movimentos também significarão uma escalada da guerra contra o glitter (brilho). Não só ajudariam a reduzir a quantidade de micro plásticos a caminho da pia do banheiro para o mar aberto, mas também poupariam a sanidade dos pais quando desempacotarem as mochilas dos filhos e admirarem suas artes e ofícios feitos na escola.

Quem disse que o ambientalismo não é uma proposta onde todos saem ganhando?

Foto: Pixabay/MonaL66